Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2012

O MEDO: AMIGO OU INIMIGO? (Henrique Senhorini)

Imagem
Texto apresentado na “Jornada Mal-Estar na Cultura: O Medo”, realizada nos dias 31 de agosto e 01 de setembro de 2012, no Sindicato dos Professores de São Paulo - SIMPRO-SP

O que me levou a fazer essa reflexão foi o medo. Eu explico: a oportunidade de produzir um texto para publicação suscitou, em mim, uma sensação de surpresa, seguida por uma satisfação - misto de felicidade, reconhecimento, honra e lisonjeio. Mas isso durou muito pouco, porque após aceitar o desafio, assumir compromisso, e cair a ficha da real dimensão desse feito, da importância da publicação e o que ela representa em termos de transmissão, um frio congelante percorreu a minha espinha, de ponta a ponta.
Era disso que se tratava: o medo. E, por um bom tempo, ele me causou certa paralisia, bloqueando o surgimento de um mínimo de organização na elaboração daquilo que me propus a fazer (o medo causa isso?). Bem, a questão que não se calava era: como abordar o tema “Medo” sem cair na vala da Fobia e nem na do Pânico? Dias se…

CONVERSANDO SOBRE FRESTAS: DIÁLOGOS PERTINENTES (Eliana Ribeiro da Silva)

Imagem
Artigo inspirado na apresentação da autora no II ENCONTRO “LER & ESCREVER” da REVISTA VÓRTICE DE PSICANÁLISE, em 19/mai/2012.

Na epígrafe do texto “A Fresta”, de M. I. Soriano, temos a indagação de E. Zola do que seja o amor; ao que ele mesmo responde como sendo um conto simples, dito de muitas maneiras. Continuo, então, esta conversa, anunciando que sobre o amor e o amar, vou dizê-lo à minha maneira, a partir do que a leitura do texto original provocou nesta leitora. Então passo a explicar: não consegui me furtar à tentação de olhar este texto de forma bipartida, isto é, me detendo nas análises da estrutura e do conteúdo. Sem nenhuma dificuldade me peguei tentando fazer o percurso do processo de criação do autor. Identifiquei alguns mecanismos de construção importantes que me auxiliaram na posterior análise do conteúdo. Não há dúvida de que o texto se assenta no gênero psicanalítico, e sobre ele recaem dois olhares que, ao se fundirem, produziram tal gênero que aqui se apresenta. …