Postagens

Mostrando postagens de Março, 2016

TRANSCRIÇÕES E OPERAÇÕES CLÍNICAS DO ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO (Juan Salazar & Shirley Batista)

Imagem
Trabalho originalmente apresentado na Jornada de Acompanhamento Terapêutico do Sítio, em novembro de 2015.
Se dizes alguma coisa, esta coisa passa pela boca; ora, tu dizes uma carroça, logo uma carroça passa por sua boca.” (Crisipo)
Como escrever um texto sobre Acompanhamento Terapêutico? Produzir uma fala? Comunicar algo disto ao outro? Estas importantes questões que fazemos aqui, não devem ser encaradas unicamente como um problema de linguagem, mas sim como perguntas que apontam para a multiplicidade que constrói a clínica do Acompanhamento Terapêutico – esta clínica nômade, flutuante, errante, que faz e se desfaz continuamente, se perde e se encontra ao mesmo tempo. Tamanha multiplicidade transparece justamente a incomunicabilidade desta experiência; pois, como se nortear diante de tantos elementos vertiginosos, localizar o que há de “clínica” no ato de acompanhar e comunicar com clareza e verdade aos outros, a concretude deste oficio? É prezando por estes afetos que nos perpassam, q…

EDITORIAL ANO VII

A REVISTA VÓRTICE DE PSICANÁLISE completa em março seu sétimo ano de existência. O CORPO EDITORAL gostaria de parabenizar a todos pelo esforço e pela participação nesta empreitada psicanalítica. Desde FREUD, percebemos a importância da LEITURA e da ESCRITA para o desenvolvimento da Psicanálise. Com seus precisos levantamentos bibliográficos nos Artigos Teóricos, bem como na arte de sua escrita, ora romanceada nos Historiais Clínicos, ora metodologicamente perfeita nos Artigos Técnicos, FREUD nos deixou esse legado e essa deliciosa obrigação: LER e ESCREVER. Em 1925, escreve FREUD, incansável: “É quase humilhante que, após trabalharmos por tanto tempo, ainda estejamos tendo dificuldade para compreender os fatos mais fundamentais. Mas decidimos nada simplificar e nada ocultar. Se não conseguirmos ver as coisas claramente, pelo menos veremos claramente quais são as obscuridades”. Ficamos, portanto, com esse desafio: perpetuar a LEITURA e a ESCRITA. Uma LEITURA e uma ESCRITA que permitam um d…