Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2017

NOTÓRIOS DA PSICANÁLISE: HERBERT GRAF

Imagem
HERBERT GRAF(1903-1973) é o nome por trás do pseudônimo do caso clínico do “Pequeno Hans”. Até 1972, data da publicação das “Memórias de um homem invisível”, transcrição das quatro entrevistas concedidas por Herbert Graf ao jornalista Francis Rizzo, não se conhecia a identidade do “menino de cinco anos” que se celebrizou sob o nome de “Pequeno Hans”, graças ao relato feito por Sigmund Freud sobre sua análise, realizada sob a condução de Max Graf, pai do paciente. Considerado um dos grandes casos clínicos da história da Psicanálise, o tratamento do Pequeno Hans ocupou rapidamente um lugar especial nos anais do freudismo, a começar pelo fato de que o paciente (pela primeira vez) era uma criança e, além disso, porque Freud, em vez de ficar na posição de analista, interviera como supervisor. A análise propriamente dita do Pequeno Hans desenrolou-se durante o primeiro semestre do ano de 1908. Foi contemporânea da de Ernst Lanzer, o Homem dos Ratos. Freud, com a autorização do pai do menino, p…

OFICINA-CLÍNICA E ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO: FAZERES E TESTEMUNHOS NO COLETIVO (Juan Salazar, Lívia Bustamante van Wijk, Shirley Batista)

Imagem
Trabalho originalmente apresentado no XI Congresso Internacional de Acompanhamento Terapêutico – nov/2017

PREÂMBULO A Oficina-clínica é lugar nômade de cuidado em saúde mental, que envolve testemunho, diferença, convivência, presença e fazeres, sendo destinada a toda pessoa interessada em participar. Tal acontecimento funciona a partir da Psicanálise e do Acompanhamento Terapêutico (AT), orientando o processo de investigação e produção destes “fazeres”, que abrangem sempre linguagens heterogêneas, podendo inclusive serem artísticas ou não. Colagem, culinária, desenho, estêncil, escrita, música, jardinagem, reparos de pequenos objetos e móveis, dentre outras coisas, fazem parte do nosso repertório. Trata-se sempre de inaugurar e descobrir um novo modo de fazer algo, que leve sempre em conta as condições do outro. É possível inclusive não fazer nada, já que a Oficina-clínica é também lugar de sustentação do encontro das diferenças e da oportunidade de convívio. Ela vem acontecendo numa ca…