NOTÓRIOS DA PSICANÁLISE: ERNST WILHELM VON BRÜCKE



ERNST WILHELM VON BRÜCKE, médico e fisiologista alemão, nasceu em Berlim a 6 de junho de 1819 e morreu em Viena a 7 de janeiro de 1892.
Filho de um retratista que pintava igualmente cenas históricas, foi criado em Stralsund, após a morte prematura de sua mãe, no lar de seu tio, o superintendente C. Droysen. Aí fez seus estudos secundários. O curso de Medicina foi realizado em Berlim e Heidelberg a partir de 1838 e ele recebeu o diploma de Doutor em Medicina em Berlim em 1842. Assistente em 1843 de Johannes Peter Müller no Museu de Anatomia Comparada e, ao mesmo tempo, preparador das dissecações para o Museu, ele ocupou também, a partir de 1846, as funções de professor de anatomia na Academia de Belas-Artes de Berlim.
Brücke habilitou-se em 1844 à docência em fisiologia, sendo nomeado, em 1848, professor extraordinário de fisiologia, patologia geral e psicologia em Königsberg; em 1849 é convidado como professor de fisiologia, de anatomia (microscópica) e de psicologia para Viena, onde ocupou a cátedra dessa disciplina durante quarenta anos, até sua nomeação como professor emérito em 1890.
Nobilitado em 1873, é nomeado reitor da Universidade de Viena em 1879; era membro da Academia de Ciências, da Ordem Prussiana “Ao Mérito” e da Câmara Alta Austríaca, assim como detentor de numerosas condecorações e distinções honoríficas. Na qualidade de co-fundador da Sociedade de Física em 1845 (da qual resultou a Sociedade berlinense e depois a alemã de Física), ele pertencia, assim como Emil Du Bois-Reymond, Hermann von Helmholz e Karl Ludwig, ao número dos defensores inabaláveis da concepção vitalista então dominante, referia todas as manifestações vitais a forças físico-químicas no organismo. No mesmo ano de 1845, em Berlim, participou da fundação da Sociedade de Psicologia, com Emil Du Bois-Reymond, Hermann von Helmholz, e Heinrich Gustav Magnus.
Brücke era o fisiologista mais culto do seu tempo e contribuiu para o enriquecimento de numerosos domínios das ciências da natureza – nos domínios da fisiologia da óptica, da fisiologia das plantas, da fisiologia da digestão, sobre a estrutura dos nervos e dos músculos, a fisiologia celular, a bioquímica (a purificação das pepsinas, que contribuiu para o conhecimento das enzimas) e ainda a fisiologia da fonação no homem e também a linguística. Para apresentar as suas numerosas publicações, citaremos somente o manual em dois volumes e múltiplas reedições Vorlesungen über Physiologie (1873,1874, “Conferências de fisiologia”). Brücke fez do seu laboratório um lugar de pesquisas fundamentais das ciências exatas da natureza e introduziu assim uma nova metodologia na escola de medicina vienense, que ele marcou fortemente com seu cunho pessoal.
Sigmund Freud, que descreveu Brücke como “a maior autoridade que até hoje mais me influenciou”, trabalhou no laboratório de Brücke de 1876 a 1882. Seus primeiros escritos de neurofisiologia aí nasceram, e a influência de Brücke reconhece-se claramente nas formulações teóricas psicanalíticas dos primeiros tempos. Brücke, que propusera Freud para uma função docente, tinha considerado em sua recomendação os trabalhos neurológicos de Freud como “muito importantes”; interveio igualmente com todo o seu peso para a obtenção da bolsa de viagem destinada à estada de Freud no curso de Charcot em Paris.

OBS.: Este artigo segue as diretrizes biográficas redigidas por Helmut Gröger para o Dicionário Internacional da Psicanálise.

Comentários