Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2019

TEMPO OUTRO ESPAÇO OUTRO ROSTO: MEDITAÇÕES CURTAS (Marcos Inhauser Soriano)

Imagem
Sentia-se assim desde sempre, desprezado pelo Mundo, vítima de injustiças alheias - um “não desejado” de todas as formas possíveis de se imaginar. Não entendia o porquê de sua postura, sempre prestativa e bondosa, incomodar tanto os outros ao ponto de estrangular, em uma angústia aterrorizante, seu lugar de sujeito no Mundo - ele era o que se assujeitava. Um desastre na fatia das relações afetivas que compõe a vida. Um desastre na fatia funcional que sustenta o ganho para se viver decentemente, para além da profunda pobreza material que o mantém na escória. Ao lugar de pária, o corpo responde e acomoda-se como pária, em um insignificante fisiológico onde tudo falha. E chega assim, como sempre, com uma estranha e irritante simpatia estampada no rosto – o Rosto, aqui tomado como análogo, inscreve o Destino.
Usemos o Desprezo como base/tema ilustrativo desta costura.
Quem faz o Rosto que define o que é feito? Pensemos assim: o que temos são “representações”, o material bruto com o qual lidam…

ENCONTRO LER & ESCREVER: ESBOÇO DE ESQUIZOANÁLISE

Imagem
Prezados Leitores
É com muita satisfação que convidamos para, no próximo dia 02/nov/2019, sábado, das 15h às 18h, o IX Encontro “LER & ESCREVER”, promovido pela REVISTA VÓRTICE DE PSICANÁLISE. O tema do Encontro será “ESBOÇO DE ESQUIZOANÁLISE”. Neste Encontro teremos, como ponto de partida da discussão, a apresentação do tema por Juan Salazar.
“Se a psicanálise conceitualiza a psicose através de sua visão da neurose, a esquizoanálise abordará todas as modalidades de subjetivação à luz do modo de ser da psicose. É em "O anti-Édipo" de Deleuze e Guattari (1972), que se inaugura o termo esquizoanálise, induzindo não unicamente à uma prática clínica ou teoria claramente circunscritas, mas principalmente à uma maquinaria que reconhece a produção desejante como algo imanente, não-representativa e diretamente investida no social - ou seja, para fora do sujeito, não-una, mas múltipla. Explode-se a genealogia edípica da psicanálise e denuncia-se as capturas capitalísticas do desejo. …